diumenge, 27 de maig de 2012

Amêndoa amarga


Amêndoa amarga

Ary dos Santos / Alain Oulman
Repertório de Amália Rodrigues

Este poema foi extraído do livro *As palavas do Ary*

Por ti falo e ninguém pensa
Mas eu digo, minha amêndoa, meu amigo, meu irmão

Meu tropel de ternura, minha casa

Meu jardim de carência, minha canção


Por ti vivo e ninguém pensa

Mas eu sigo um caminho de silvas e de nardos

Uma intensa ternura que persigo

Rodeada de cardos por todos os lados


Por ti morro e ninguém sabe

Mas eu espero o teu corpo que sabe a madrugada

O teu corpo que sabe a desespero

Ó minha amêndoa amarga desejada