dimarts, 27 de juliol de 2010

Maria Emilia


Maria Emília sempre esteve em comunhão com o Fado. No seu baptizado estiveram presentes vários fadistas, entre eles: Mário Rocha, Adélia Pedrosa, Maria de Lourdes, Glória de Lourdes, Terezinha Alves e ainda os guitarristas: António Gomes, Humberto Fernandes, Eugênio Peres e, os violas José Carlos e Carlão.

Já ouvia o Fado no ventre da mãe. Ainda com tenra idade, partiu para o Minho onde sempre acompanhava o pai, para ouvir e cantar o Fado na Taberna do Ganso e outros sítios mais.
Retornou ao Brasil e cantou no Alfama dos Marinheiros onde recebeu o Batismo do Fado dos Padrinhos: O cantor Sebastião Manuel, Gerônimo Augusto Gomes e Nilde.

Participou do programa da Eliana Martins, cantou no Cais do Porto e outros mais.
Não resistindo a saudade da Pátria de sua nacionalidade, retornou a Portugal e iniciou a sua carreira de Fadista nas casas: Restaurante Típico Tipóia, Restaurante Já Disse, Adega Machado, o Forcado entre outras. Actualmente actua na Casa de Fado Caldo Verde, sito a Travessa do Poço da Cidade nº 40, Bairro Alto em Lisboa.

(Informação tirada do Portal do Fado)




Na boca de toda a gente
Tiago Torres da Silva / Daniel Gouveia

Se eu te disser ao ouvido
Que o fado me tem pedido
Para ninguém o cantar;
Por favor, guarda segredo
Porque o fado está com medo
Que alguém o queira matar

Anda tão envergonhado
Que diz que já nem é fado / Nem julga que o fado exista
Porque quem sente vaidade
Em dar abrigo á saudade / Já não pode ser fadista

E depois o fado diz
Que não pode ser feliz / Na boca de toda a gente
E que talvez a meu lado
Possa voltar a ser fado / Como era antigamente

É por isso que eu lhe digo
Que quando lhe dou abrigo / Sinto o peito tão cansado
E um dia, talvez consiga
Que ao chorar o fado diga / Que quer voltar a ser fado.

(letra tirada do blog fadosdofado)

dimecres, 21 de juliol de 2010

Escada sem corrimão

Aquest és un vídeo que serveix com a regal als meus amics, la Rita i l'Àlex, com agraïment per la seva hospitalitat i la seva comprensió. Durant aquests dies passats a ca seva. Sé que aquest fado és el que més agrada la Rita.
Espero que us agradi!




Gràcies a l'amic quimfadista que ens ha corregit el nom de l'autor de la música del fado Meia-noite que en realitat és Filipe Pinto.

divendres, 16 de juliol de 2010

Trago Alentejo na voz


Nascut a Beja, al Baixo Alentejo, aquest fadista força influenciat pel cante alentejano, ben aviat es va aficionar al Fado guanyant amb setze anys el Concurso Nacional de Fado.
Va cantar al Clube de Fado del guitarrista Mário Pacheco i durant quatre anys va participar en el musical Amália.

Del seu primer CD "O mesmo Fado" editat el 2002, escoltem aquest tema Trago Alentejo na voz de José Luís Gordo, una balada amb aires del seu Alentejo que qualsevol que l'escolti de ben segur sentirà com nosaltres aquella nostàlgia, aquell benestar que ens dóna la terra, el lloc on hem crescut i que ens acompanya sempre

Beja, poble natal de l'António Zambujo




Trago alentejo na voz


Trago alentejo na voz
do cantar da minha gente
ai rios de todos nós
que te perdes na corrente
ai planícies sonhadas
ai sentir de olivais
ai ventos na madrugada
que me transcendem demais

amigos, amigos
papoilas no trigo
só lá eu as tenho
e de braço dado contigo a meu lado
É de lá que eu venho
e de braço dado
cantando ao amor
guardamos o gado, papoilas em flor,
que o vento num brado
refresca o calor
e de braço dado, contigo a meu lado
cantamos o amor

ai rebanhos de saudades
que deixei naqueles montes
ai pastores de ansiedades
bebendo água nas fontes
ai sede das tardes quentes
ai lembrança que me alcança
ai terra prenhe de gente
nos olhos duma criança.

La bona amiga Mena ha realitzat aquest bonic vídeo que ha tingut la gentilesa de enviar-me.
Obrigado Mena pela sua atenção, e com a sua licença fica publicado neste cantinho.

dilluns, 12 de juliol de 2010

Quando me sinto só


Gran Ricardo Ribeiro, en directe a Mesa de Frades, aquest local tan fadista ara tancat per l'incendi de la part posterios del Palácio de Dona Rosa, cantant aquest Quando me sinto só, acompanyat a la guitarra pel Pedro Castro i a la viola per Jaime Santos Jr.

Poema d'Artur Ribeiro de versos alexandrins aqui cantat amb música de Joaquim Campos, dos noms de referència en el Fado, que tenen el contrapunt d'aquesta veu... Gran Ricardo Ribeiro, per molts conegut com O Senhor Fado.




Quando me sinto só
Artur Ribeiro / Joaquim Campos *alexandrino*


Quando me sinto só, como tu me deixaste
Mais só que um vagabundo num banco de jardim
É quando tenho dó de mim e por contraste
Eu tenho ódio ao mundo, que nos separa assim

Quando me sinto só sabe-me a boca a fado
Lamento de quem chora a sua triste mágoa
Rastejando no pó, o meu coração cansado
Lembra uma velha nora morrendo á sede d'água

P'ra que não façam pouco, procuro não gritar
A quem pergunta minto, não quero meter dó
Num egoísmo louco eu chego a desejar
Que sintas o que sinto quando me sinto só.



(letra tirada do blog fadosdofado)

dijous, 8 de juliol de 2010

Argentina Santos, l'homenatge


Argentina Santos ha estat homenatjada a São Luiz, en reconeixament a la seva dilatada carrera com a fadista, més de seixanta anys de fado desde la seva casa: A Parreirinha de Alfama" local que des de les nostres contrades esdevé un nom mític, i en qual hem tingut l'oportunitat d'escoltar-la en viu i en directe.

En el mateix acte, les cròniques ens diuen que ha rebut la Medalla d'or de la ciutat de Lisboa entregada pel President de la Câmara Municipal de Lisboa. Noms com Diogo Clemente, Ricardo Parreira, José Maria de Carvalho, Fernando Araújo, Celeste Rodrigues, Jorge Fernando, Ricardo Ribeiro, Maria Armanda, Rodrigo, Carlos do Carmo i molts altres van ajudar a retre aquest merescut homenatge.

Al film de C. Saura, Fados, l'Argentina Santos va cantar un Fado Menor, un dels moments culminants de la cinta d'aquest Saura que tant ens va decebre. Sempre m'he preguntat si tenia molt de sentit fer cantar a Dona Argentina en un espai tan impersonal, tenint la casa de fados de la qual és propietària, cuinera i fadista "de la casa" tan a l'abast... En fi, nosaltres simples mortals potser demanem massa als "grans artistes".
Podem comparar els espais, oi?

El fragment del film el tenim disponible , així com la lletra del Fado Menor, el títol del qual és Vida vivida

Volta atrás, vida vivida,
para eu tornar a ver
aquela vida perdida
que nunca soube viver.
Voltar de novo quem dera
a tal tempo, que saudade!
Volta sempre a primavera
só nao volta a mocidade.
A vida começa cedo,
mas assim que ela começa
começamos por ter medo
que ela se acabe depressa.
O tempo vai-se passando
e a gente vai-se iludindo
ora rindo ora chorando
ora chorando ora rindo.
“Meu Deus, como o tempo passa!”
dizemos de quando em quando;
afinal o tempo fica
a gente é que vai passando.

Somniem

diumenge, 4 de juliol de 2010

Inês Gonçalves


Una dels deu finalistes del concurs de Fado amador d'Almada, Inês Gonçalves no és en aquest cas la guanyadora, encara que ho hagués pogut ser perfectament, per la seva veu clara, bona dicció i aire fadista. Es va presentar amb dos fados que va cantar en les tres prèvies i la final del passat 24 de Juny a l'Auditório Fernando Lopes Graça.

Amb els mitjans habituals vàrem enregistrar els dos fados; Amor de mel, amor de fel, i Há festa na Mouraria. No eran els millors mitjans, però hem aconsseguit, si més no, poder donar a conéixer des d'aquest "cantinho" aquesta veu que té molt a dir en el món del fado

Així doncs us presentem la Inês Gonçalves, tot esperant tornar a sentir-la cantar ben aviat.




Amor de mel, amor de fel
Amália Rodrigues / Carlos Gonçalves


Tenho um amor que não posso confessar... mas posso chorar
Amor pecado, amor de amor, amor de mel, amor de flor
Amor de fel, amor maior, amor amado

Tenho um amor, amor de dôr, amor maior
Amor chorado em tom menor, em tom menor maior o fado

Choro a chorar tornando maior o mar
Não posso deixar de amar o meu amor em pecado

Fui andorinha que chegou na primavera, eu era quem era
Amor pecado, amor de amor, amor de mel, amor de flor
Amor de fel, amor maior, amor amado

Tenho um amor, amor de dôr, amor maior
Amor chorado em tom menor, em tom menor maior o fado
Choro a chorar tornando maior o mar
Não posso deixar de amar o meu amor em pecado

Fado maior, cantado em tom de menor
Chorando um amor de dôr
Dôr de um bem e mal amado


Há festa na Mouraria *Amália*
Gabriel de Oliveira / Alfredo Duarte *marcha do marceneiro*
Repertório de Amália

Há festa na Mouraria
É dia da procissão
Da Senhora da Saúde;
Até a Rosa Maria
Da Rua do Capelão
Parece que tem virtude

Naquele bairro fadista / Calaram-se as guitarradas
Não se canta nesse dia
Velha tradição bairrista / Vibram no ar badaladas
Há festa na Mouraria

Colchas ricas nas janelas
Pétalas soltas no chão / Almas crentes, povo rude
Anda a fé pelas vielas
É dia da procissão / Da Senhora da Saúde

Após um curto rumor / Profundo silêncio pesa
Por sobre o Largo da Guia
Passa a Virgem no andor / Tudo se ajoelha e reza
Até a Rosa Maria

Como que petrificada / Em fervorosa oração
É tal a sua atitude
Que a Rosa já desfolhada / Da Rua do Capelão
Parece que tem virtude


(letras dos fados tiradas do blog
fadosdofado)