diumenge, 26 d’agost de 2018

Per molts anys Sandra



Ahir va ser l'aniversari de la meva fadista de capçalera, la Sandra Correia. No he tingut massa temps per dedicar-li unes paraules en aquesta data, tampoc de parlar del seu darrer treball "Aqui existo" que compraré aviat en el proper viatge a Lisboa que espero pugui ser al mes d'octubre.

L'homenatge que li he pogut fer, ha estat escoltar moltes músiques seves, i entre tantes com he escoltat, n'hi ha una, el Fado Proença que se m'ha enganxat de manera que no me la puc treure del cap.

Aqui us deixo amb un video del 2015, gravat al carrer al barri de Mouraria.

I per molts anys sandra, Muitas felicidades i um beijinho grande!


Alma Fadista
Sei bem quem sou, quando me dou
Em cada fado
Canto o que sinto, chamem-lhe instinto
Com ar compassado
Os que me ouvem, e se comovem
Com a minha voz
Sentem então, com emocão,
Que não estão sós
A minha alma é mais alma quando solto
O meu canto
Porque então me agiganto
Numa entrega sem fim
Na minha alma há palavras doloridas
Que se espalham noutras vidas
Mas nascem dentro de mim
Mal sabem eles que tu repeles
O meu amor
E que é por isso que os enfeitiço
Com tão fervor
Sentem-se gratos pelos retratos
Que deles faço
Mas na verdade espalho a saudade
Do teu abraço
A minha alma é mais alma quando solto
O meu canto
Porque então me agiganto
Numa entrega sem fim
Na minha alma há palavras doloridas
Que se espalham noutras vidas
Mas nascem dentro de mim

Cap comentari: