divendres, 30 de desembre de 2016

Partir é morrer um pouco

Segur que tots els anys ens deixen persones que formen part d'una o altra manera del nostre univers. Però també és segur que hi ha persones que ens toca més a fons la seva partida. O potser veiem la nostra partida més a prop. 
Em deia fa temps algú, que quan som joves la mort, és sempre la dels altres, i a mida que ens anem fent grans, comprovem que ara la mort la veiem més nostra... Tan se val, forma part de la vida  i així l'hem d'entendre i acceptar. Un alicient més per viure la vida amb plenitud mentre poguem.
Marxar és morir una mica, morir és quedar-se en els cors.



Partir é morrer um pouco

Mascarenhas Barreto / António dos Santos

Adeus parceiros das farrasDos copos e das noitadas
Adeus sombras da cidade;
Adeus langor das guitarras
Canto de esperanças frustradas
Alvorada de saudade

Meu coração como louco
Quer desgarrar-me do peito / Transforma em soluço a voz
Partir é morrer um pouco
A alma de certo jeito / A expirar dentro de nós

Quem parte, semeia vida

Por caminhos sem guarida / Num rosário de cansaços
Sangra na alma uma ferida
De tortura da partida / Que me afasta dos teus braços

A dôr é como uma bruma
Que torna o meu canto rouco / Nesta angústia de deixar-te
Sonhos desfeitos em espuma
Partir é morrer um pouco / Triste fado de quem parte

Já solta o barco, as amarras
Lisboa, manda-me um beijo / Deixa este fado por troco
Trinam de luto as guitarras
Singra a saudade p'lo Tejo / Partir é morrer um pouco

Voam mágoas em pedaços
Como aves que se não cansam / Ilusões, esparsas no ar
Partir é estender os braços
Aos sonhos que não se alcançam / Cujo destino é ficar

Já zarpam o navio da barra

Adeus ó branca Lisboa / Adeus oh meu Tejo amigo
Abraço ao peito a guitarra
Deixo este fado e perdoa / Levo a saudade comigo


Deixo a minh'alma no cais
De longe, canso sinais / Feitos de pranto a correr
Quem morre, não sofre mais
Mas quem parte é dôr demais / É bem pior que morrer

diumenge, 25 de desembre de 2016

Bon Nadal

Para lembrar que os que perdemos ficam sempre no nosso coração, o lugar deles na nossa vida permanece! Este dedico ao meu Avô Brás, eu sei que ele ouve..... Este tema é do meu amado Jorge Fernando. Beijos e abraços!



 Això publica l'amic Ângelo Freire al seu perfil de Facebook, i no em puc estar de portarlo aqui al meu racó de fado. Una meravella així necessita ser divulgada.

Obrigado Ângelo Feliz Natal

Enquanto as estrelas brilham sobre os campos
Anunciando um tempo especial
Nós dois andamos tristes p'los recantos
Por saber que tu não vens neste Natal

À mesa e no sítio do costume
O teu lugar vazio vai-nos lembrar
Quando os três, sentados frente ao lume
Velhas histórias nos levavam a brindar

A velha chaminé que tantas vezes
Nos viu trocar as prendas em segredo
Não vai ouvir-te a voz nas nosss preces
Nem ter prenda p'ra te dar, de manhã cedo

E longe, muito longe cá da terra
Na hora da sagrada comunhão
Na luz divina que esta noite encerra
Teus olhos vão brilhar por nós, irmão

Não há natal enquanto não estiveres
Enquanto não estiveres não há natal