dimarts, 10 de juliol de 2012

Fado Património da Humanidade

Aquest és el títol d'un CD que vaig comprar a Lisboa l'abril passat.

Volia tenir alguna gravació del grup Entre Vozes, formació creada a la dècada dels noranta per les fadistes Alexandra, Alice Pires, Lenita Gentil i Maria da Fé, i en aquest CD n'hi ha tres, i a més també hi trobem al grup Quatro Cantos i al Quinteto Amália.

Hi ha poca informació d'aquesta formació musical i desconec si ha variat els seus components al llarg del temps, i per tant desconec -el CD és parc en informació- si aquestes fadistes que canten són les que van formar el grup en un principi.
Us deixo amb Entre Vozes.

Medley de cançons d'Amália
Amália (José Galhardo / Federico Valério)
Amália,  quiz Deus que fosse o teu nome
Amália,  acho-lhe um jeito engraçado
bem nosso e popular
quando oiço alguém gritar
Amália,  canta-me o fado
Amália,  esta palavra ensinou-me
Amália,  tu tens na vida que amar
e como até morrer
amar é padecer
Amália chora a cantar!

Ai Mouraria (Federico Valério / Amadeu do Vale)
Ai Mouraria da velha Rua da Palma
Onde eu um dia deixei presa a minha alma
Por ter passado, mesmo a meu lado, certo fadista
De cor morena, boca pequena, e olhar trocista

Ai Mouraria do homem do meu encanto
Que me mentia, mas que eu adorava tanto
Amor que o vento, como um lamento, levou consigo
Mas que ainda agora, e a toda a hora, trago comigo

Ai Mouraria

Dos rouxinóis nos beirais
Dos vestidos cor de rosa
Dos pregões tradicionais
Ai Mouraria

Das procissões a passar
Da Severa, a voz saudosa
Da guitarra a soluçar.

Vou dar de beber a dor (Alberto Janes)
 Foi no domingo passado que passei
Á casa onde viva a Mariquinhas
Mas está tudo tão mudado que não vi em nenhum lado
As tais janelas que tinham tabuínhas;

Do rés do chão ao telhado, não vi nada, nada, nada
Que pudesse recordar-me a Mariquinhas
E há um vidro pregado e azulado

Onde havia as tabuínhas
As janelas tão garridas que ficavam
Com cortinados de chita ás pintinhas
Perderam de todo a graça, porque é hoje uma vidraça
Com cercadura de lata ás voltinhas;
E lá p'ra dentro quem passa, hoje é p'ra ir ao penhor
Entregar ao usurário umas coisinhas
Pois chega a esta desgraça, toda a graça
A casa da Mariquinhas

P'ra terem feito a casa o que fizeram
Melhor fôra que a mandassem prás alminhas
Pois ser casa de penhores, o que foi viveiro de amores
É ideia que não cabe cá nas minhas;
Recordações do calor e das saudades, o gosto
Que eu vou procurar esquecer, numas ginginhas
Pois dar de beber á dôr, é o melhor
Já dizia a Mariquinhas.

Uma casa portuguesa (Reinaldo Ferreira / Matos Sequeira / Artur Fonseca)
Numa casa portuguesa fica bem
Pão e vinho sobre a mesa
E se á porta humildemente bate alguém

Senta-se á mesa c'oa gente;
Fica bem essa franqueza, fica bem
E o povo nunca desmente;
Que a alegria da pobreza
Está nesta grande riqueza
De dar e ficar contente
Quatro paredes caiadas, um cheirinho a alecrim
Um cacho de uvas doiradas, duas rosas num jardim
Um São José de azulejo, mais o sol da primavera
Uma promessa de beijos, dois braços à minha espera
É uma casa portuguesa, concerteza
É concerteza, uma casa portuguesa.

 

3 comentaris:

fernando ha dit...

¿Y que ha sido del "Quinteto Amália"?.

Ibérico ha dit...

Olá! Sí, "Entre Vozes" va canviar de components. Al meu blog hi ha alguna informació: "ENTRE VOZES (1999-2003): Já fizeram parte das ENTRE VOZES Alexandra, Maria da Fé, Alice Pires, Lenita Gentil, Maria Armanda e Teresa Tapadas.
http://cotonete.clix.pt/artistas/home.aspx?id=4294 " ( http://agal-gz.org/blogues/index.php/fado/2005/06/29/alguns_fadistas_e_lugares#more236 ).
Saudações fadistas.

jaume ha dit...

Obrigado Manuel. Prenc nota de la info que per altra part ja em suposava. Una abraçada.
... I queda pendent aquell cafè!