dimecres, 4 d’abril de 2012

Jorge Couto

Tornem a parlar del nostre periple per terres portugueses, i ho fem amb aquest fadista, Jorge Couto, que a més té la responsabilitat compartida per tal que funcioni Casa da Mariquinhas de Porto.

Més enllà  de les seves atencions com a responsable d'aquesta casa, que té aquell sabor fadista que hom percep de seguida de creuar el llindar de la porta, també canta fados amb aquesta sensibilitat que va captar la nostra càmara.

Aqui ens presenta un fado que va cantar la Lucília do Carmo, i que ara sembla que molts fadistes han recuperat i afegit al seu repertori.

Leio em teus olhos,  lletra i música de Mário Moniz Pereira.

Leio em teus olhos
Que o nosso amor está cansado
Leio em teus olhos
Recordações do passado
Leio em teus olhos
Que já não sou nesta hora
O que fui p’ra ti outrora
Leio em teus olhos

O amor de alguém é inconstante
Logo que ele vem, vai num instante
Vê lá se o teu não está já muito diferente
Continua igual ao meu, como ele era antigamente.



I amb el fadista de la casa Aurélio Perry, el poema de Pedro Homem de Melo Sei de um rio, amb música de Alain Oulman.
 

Sei de um rio
Em que as únicas estrelas nele sempre debruçadas
São as luzes da cidade

Sei de um rio
Sei de um rio
Rio onde a própria mentira tem o sabor da verdade
Sei de um rio

Meu amor dá-me os teus lábios
Dá-me os lábios desse rio que nasceu da minha sede
Mas o sonho continua...
E a minha boca *até quando?*

Ao separar-se da tua
Vai repetindo e lembrando
Sei de um rio... sei de um rio.


Lletres retirades del blog de l'amic José Fernandes Castro