dimarts, 12 de juliol de 2011

Saudades trago comigo

Un clàssic, això és aquest poema de l'António Calém que aqui escoltarem amb la veu i la guitarra d'aquest monstre del fado que és l'Ângelo Freire.
En quan a la música, diríem que es pot tractar d'un Mouraria a l'estil del fadista, o sigui  Mouraria estilizado, o potser es tracta d'un Fado das Horas, o tal vegada un i altre siguin la mateixa cosa... això de l'estil sempre em porta a confusions.
Si algú pot dornar una mica de llum al tema li quedaria molt agraït!!!!!

Aquest estilat del que parlem, també permet al fadista afegir una estrofa al final del fado, del qual n'és autor Fernando Teles

Eu tenho um sonho dourado
sonho que minha alma quer
é morrer cantando o fado
nos braços de uma mulher





Saudades trago comigo
do teu corpo e nada mais,
pois a lei por que me sigo
não tem pecados mortais.

Talvez tu queiras saber / porque em vida já estou morto:
São apenas, podes crer / as saudades do teu corpo.

E tu que sentes por mim / desde essa noite perdida?
Sentes esse frio em ti / que eu sinto na minha vida?

Eu sei que o teu corpo há-de / sentir a falta do meu,
por isso eu tenho a saudade / que o meu corpo tem do teu.

Eu tenho um sonho doirado / Sonho que a minha alma quer:
É morrer cantando o fado / Nos braços de uma mulher.



1 comentari:

Américo ha dit...

Angelo Freire, tao jovem e já tao maduro no Fado. Além de ser um exímio guitarrista. Nao haja dúvida que o Fado se renova, o que é muito importante, novas e excelentes vozes, e novos e excelentes músicos. Viva o Fado. Um abraço para o Jaume. Américo