dimecres, 27 d’abril de 2011

Tornem-hi !!

Són molts els cops que quan ens trobem amb algú i sorgeix el tema Fado -jo em presento sempre com a modest divulgador d'aquest gènere- ens planten la famosa frase. "és bonic però és molt trist, oi?"
Desprès aprofondint en la conversa queda clar que la majoria d'aquests opinadors, de fado n'han sentit ben poc, parlen dels esteriotips que envolten el Fado, opinen sense conèixer. I alguns, fins i tot, des del desconeixement, volen tenir raó.
També trobo, afortunadament, aquells que si que han estat "tocats" pel Fado, aquells que es deixen agombolar, que es deixen dur pels sentiments, aquells que obren la porta del cor, aquella porta que tots tenim i molts s'entesten a mantenir tancada.
Parlant de portes del cor, no em resisteixo a penjar aquest vídeo d'Alexandre47, en Ricardo Ribeiro a l'emblemàtica Mesa de Frades d'Alfama. Una perla.


A porta do coração

Carlos Conde / Raúl Pinto *fado raul pinto*

Feia ou bonita, que importa
Se nos assalta a paixão
Por quem nos sabe vencer
O coração tem uma porta
A porta do coração
Abre-se ás vezes sem querer

Cruzei um dia na vida
Um olhar tão apreceito / Que me toldou a presença
Ela não pediu guarida
Mas bateu com tanto jeito / Que entrou sem eu dar licença

O amor é um imprevisto
Faz-nos rir, faz-nos chorar / Faz-nos sofrer e sentir
O meu coração tem disto
Ás vezes quero fechar / Mas ele teima em abrir

Que importa o riso, a traição
Quem ama, tudo suporta / O resto não tem valor
Só quem não tem coração
É que não uma porta / P’ra dar entrada ao amor.




L'idioma?

Bé potser que la lléngua pugui ser un impediment per comprendre el poema al cent per cent. Però amb la llèngua portuguesa compartim un passat, una cuna, la qual cosa fa que ens sigui molt més familiar que altres llèngües que com l'anglès se'ns han instal·lat a casa i sense entendre'n un borrall les trobem del tot familiars.

Tot plegat per dir-vos que potser el que caldria fora que miressim de possar oli per greixar el pany de la porta del cor i deixar que hi entri el que hi tingui que entrar... 

Potser us ha semblat tristoi el fado d'en Ricardo Ribeiro...
Si és així escoltem ara la Caldeirada, un fado musicat d'Alberto Janes que a mi m'encanta i que segurament trobarem més alegre. Tot sigui per trencar esteriotips.

Canta André Baptista.



Canta Helena Sarmento.

Caldeirada

Alberto Janes
Repertório de Amália
Em tempo de caldeirada o outro dia

Já que o peixe estava todo reunido
Teve o Goraz a ideia de falar á assembleia
No que foi muito aplaudido
Camaradas *prinicipia*
A ordem do dia é tudo aquilo que for poluição
Porque o homem que é um tipo cabeçudo

Resolveu destruír tudo, pois então
E com tal habilidade e intensidade
Nas fulgurãncias do génio
Que transforma a água pura, numa espécie de mistura

Que nem tem oxigénio

E diz ele que é o rei da criação

As coisas que a gente lhe ouve e tem de ser
Mas a minha opinião, diz o Pargo Capatão, g
ostava de lha dizer
Pois se a gente até se afoga, grita a Boga
Por o homem ter estragado o ambiente
Dá cabo da criação, esse pimpão, e
isso não é decente

Diz do seu lugar: tá mau *o Carapau*
Porque por estes caminhos
Certo vamos mais ou menos, ficando todos pequenos
Assim como Jaquinzinhos

Diz então a certa altura o Camarão,:
Mas o que é que nós ganhamos por falar?
Ó seu grande Camarão *pergunta então o Cação*
Você nem quer refilar?

Se quer morrer *diz a Lula toda fula*
C'oa mania da cerveja e dos cafézes
Morra lá á sua vontade, que assim seja
Para agradar aos fregueses

Diz nessa altuta a Sardinha p'rá Taínha: sabe a última do dia?
A Pescadinha já louca, meteu o rabo na boca
O que é uma porcaria

Peço a palavra: gritou o Caranguejo
Eu que tenho por mania, observar
Tenho estudado a questão
E vejo a poluição, dia e noite a aumentar

Cai da céu a água pura, e a criatura
Pensa que aquilo que é dele, é monopólio
Vai a gente beber dela e a goela fica cheia de petrólio

A terra e o mar são, p'ró cidadão, assim como o seu palácio
Se um dia lhe deito o dente, paga tudo de repente
Ou eu não seja Crustáceo

É um tipo irresponsável *grita o Sável*
O homem que tal aquele
Vai a proposta p'ra mesa, ou respeita a natureza
Ou vamos todos a ele.

Bé potser si que també és trist que hagin de ser els peixos els que ens ensenyin com hem de tractar la natura... 
 

Les lletres dels fados extretes del blog del bon amic José Fernandes Castro

2 comentaris:

CLARISSIMO ha dit...

Fado Triste mas lindo!!!

jaume ha dit...

Lindo, muito lindo e muito bem cantado pelo "Sr. Fado" como gosto de lhe chamar.
Um abraço e até breve.
jaume