divendres, 20 de març de 2009

António Mello Corrêa


Quan vaig començar a recopilar fados, des de tots els llocs web que trobava, un dels que més m'agradava era -i és- Oiçá lá ó senhor vinho, de manera que el vaig trobar i "baixar" cantat per diversos fadistes.

Aquesta versió que escoltarem avui és d'un fadista que ara començo a escoltar força gràcies al Spotify -una web força interessant.- António Mello Corrêa.

Un poema d'Alberto Janes, també autor de la música que ens parla de les bondats del vi, i no només de les bondats.


Oiça lá oh senhor vinho, vai responder-me, mas com franqueza
Porque é que tira toda a firmeza a quem encontra no seu caminho
Lá por beber um copinho a mais, até pessoas pacatas
Amigo vinho em desalinho, vossa mercê faz andar de gatas

É mau procedimento e há intenção naquilo que faz
Entra-se em desequilíbrio, n
ão há equilíbrio que seja capaz
As leis da física falham e é vertical em qualquer lugar

Oscila sem se deter e deixa de ser perpendicular

Eu já fui, responde o vinho: a folha solta a gritar ao vento
Fui raio de sol sobre o firmamento e trouxe á uva doce carinho
Ainda guardo o calor do sol e assim eu até dou vida
Aumento o valor seja de quem fôr, na boa conta, peso e medida

E só faço mal a quem me julga, ninguém faz pouco de mim
Quem me trata como água, é ofensa!... pago-a!... eu cá sou assim
Vossa mercê tem razão, é ingratidão falar mal do vinho
E a provar o que digo, v
amos meu amigo a mais um copinho.