diumenge, 18 de gener de 2009

Fado Maior


No Largo do Peneireiro, em Alfama, um lugar lindo que já nunca vou esquecer: Fado Maior.

Era la darrera nit a Lisboa i si les cinc anteriors havien estat unes magnífiques nits de Fado i bona companyia, aquesta va ser la cirera del pastís. Era dimarts i no hi havia molt de moviment i a Fado Maior els assistents es van reduir al Paulo, la Isabel, Tó Moliças, Fernando Veloso, Nuno de Aguiar, i jo mateix. L'elenc de la casa: Julieta Estrela, Bruno Igrejas, els músics Paulo Silva i Augusto Soares i el Dr. Castro.
Va ser una nit de "Fado de proximitat" em feie l'efecte que tot el que succeia estava dirigit a mi. Tant quan cantaven com quan m'intentaven explicar coses sobre fado, com quan entre els entesos dirimien qualsevol qüestió, tot em semblava que era fet per a mi. No ho dic per immodèstia, ho dic perquè em sentia bé, còmode. Jo, l'únic estranger entre portuguesos i em feien sentir com a casa...
Hi tornarem a Fado Maior. Tinc una bona excusa: He de comprar un altre disc a la Julieta Estrela. El que vaig comprar-li aquella nit el vaig perdre a l'aeroport. Per això i perque un sempre vol tornar a casa, não é?

Sentim la Julieta Estrela en un fado musicat: Ser Fadista






Ser fadista
César d'Oliveira / João Nobre


Fado... meu vagabundo de rua
Não sei que vida é a tua que andas armado em senhor
Fado... tu gostas é de algazarra
Dum xaile, duma guitarra, das patuscadas do amor

Ser fadista... ser um fadista de raça
É enfrentar a ameaça, é uma graça que Deus nos deu
Ser fadista... é o destino que chora
Nascido na mesma hora em que o fadista nasceu
Ser fadista... é dar a mão á saudade
Que anda a chorar p'la cidade, é ser pobre com altivez
Ser fadista... é destino que se perdoa
Oração á fé de Lisboa, ser fadista é ser português

Fado... há uma voz que te chama
P'rás vielas de má fama onde o fado já morou
Fado... paras á porta da vida
Onde uma mulher perdida p'ra não chorar, te cantou.

la lletra com sempre del bloc de José Fernandes Castro