dilluns, 29 de desembre de 2008

O Luso

Este é o nome da Casa de Fados onde fui na terceira noite da minha última viagem a Lisboa.
Tinha falado pelo telefone com a boa amiga Ofélia. O encontro estava marcado para as oito e meia, à porta da Casa de Fados. Não tive qualquer problema para encontrar O Luso; a minha amiga tinha-me explicado perfeitamente como lá chegar.
Em Lisboa chovia...
Embora a Ofélia tivesse vantagem, pois ja me conhecia pelas fotos do blog, eu não tive dificuldade em a reconhecer. Vi-a e soube que era ela... De repente, a pessoa com quem tinha falado tanto pela Net, tinha face, forma, figura; mas também aquela bonomia, aquela ternura. Nenhuma dúvida: era ela!

O jantar seria também com uma amiga,
uma fadista -disse-me.

-Está bem?
-Claro, sem problema.

Duas damas na mesa comigo. E uma delas fadista, demais!

A noite estava a começar bem. Depois,mais tarde, não foram duas, foram três, as damas. Perante a minha surpresa, quem se sentou à mesa connosco foi a Celeste Rodrigues!!


O Luso não é uma casa de fados pequenina. Situa-se no Bairro Alto, na Tr. da Queimada, no local onde eram as antigas cavalariças do Palácio de S. Roque. É grande e tem, digamos, dois espaços. Um palco, onde na primeira parte da noite há um espectáculo de fados e também de danças portuguesas -folclore, mais dirigido para esse público que não vai só ver Fado, esse público que se costuma chamar "turistas" e que se vai embora muito cedo- e depois, na segunda parte da noite, fecha-se o palco e o Fado tem lugar junto das mesas, perto da gente. É aqui que o Fado acontece.
Quero aqui lembrar o elenco daquela noite, constituído por uma boa plêiade de fadistas:
Elsa Laboreiro, Isabel de Noronha, Iola Dinis, Cristiano de Sousa, Filipe Acácio (el maître) e Celeste Rodrigues.

Hoje vamos ficar com a Elsa Laboreiro num fado que tem música e letra da sua autoria.




Canto do Mar
Aqui onde o mar
é só o mar a perder de vista
é que os meus olhos bebem outras margems
fazem viagems de conquista
aqui onde o mar
é só o mar a perder de vista
é que os meus dedos tecem fantasias
fazem magias
inebriantes de azuis marinhos.


(refrão)
E a lua dos amantes feiticeira

envolve num olhar a terra inteira
e a terra gira gira sem parar
começa e recomeça neste recanto do mar.


Aqui onde o céu
é mais o céu abraçado ao mar

é que o azul se veste de outras cores
e pinta amores em qualquer lugar
aqui onde o céu

é mais o céu pátria de gaivotas
a linha do horizonte é o teu sorriso
e o que eu preciso
para navegar em todas as rotas

(refrão)

(agraeixo la col·laboració de la meva amiga Ofélia per fer que aquesta entrada hagi estat possible)

4 comentaris:

Anònim ha dit...

Através dos olhos do meu amigo, a minha imagem saiu muito favorecida... Por algum motivo se diz que os olhos são o espelho da alma; de facto, não só mostram a índole da pessoa, mas também vêem os outros à sua imagem...
Bem Haja!
Foi uma noite óptima que espero possamos repetir
OP

Suoutubro ha dit...

Por me ter encantado com o seu amor ao fado, deixo-lhe uma prenda aqui: http://nopaleio.blogspot.com/

Anònim ha dit...

Que Raiva, e eu sem poder estar convosco, mas há-de chegar a altura e parabens pela discrição, mas eu ainda não conheço a TiaMacheta, é a que está contigo e a Celeste? Um abraço Américo

Rosa Mª Llopis Cascón ha dit...

Se el que significa per a tú, poder publicar aquestes magnifiques fotos amb la Celeste Rodrigues, no només per ella sino pel que significa per a tú la seva germana...... la reina del fado!!!