dissabte, 23 de maig de 2020

Vuit anys

És una obvietat dir que el temps passa, i que passa molt ràpid. La poesia ens dirà que el temps no passa, som nosaltres els qui passem.


Començament i final. Això diuen les lleis que "Tot el que neix, mereix morir". Ho he llegit en algún lloc.


El cert és que avui fa vuit anys d'aquell dia en què et vam dir adéu. Sempre em quedarà el dubte de si tu també ens vas dir adéu... Potser si. 

Com tu acostumavesa fer les coses, quasi sense que els altres ens n'adonéssim.

Doncs això; a vegades las "saudades" són tantes que en dies com aquest d'avui venen, es queden i no marxen. Las "saudades" són bones amigues. Com tu.

Aniversari de la mama al 2008.


















Deixo la cançó en portuguès. Trobo que la lletra éstà més ben trobada que la traducció al castellà

Você meu amigo de fé meu irmão camarada, amigo de tantos caminhos de tantas jornadas Cabeça de homem mas o coração de menino, aquele que está do meu lado em qualquer caminhada Me lembro de todas as lutas meu bom companheiro, você tantas vezes provou que é um grande guerreiro O seu coração é uma casa de portas abertas, amigo você é o mais certo das horas incertas.
As vezes em certos momentos difíceis da vida, em que precisamos de alguém para ajudar na saída A sua palavra de força de fé e de carinho, me dá a certeza de que eu nunca estive sozinho Você meu amigo de fé meu irmão camarada, sorriso e abraço festivo da minha chegada Você que me diz as verdades com frases abertas, amigo você é o mais certo das horas incertas.
Não preciso nem dizer, tudo isso que eu lhe digo, mas é muito bom saber, que você é meu amigo.
Não preciso nem dizer, tudo isso que eu lhe digo, mas é muito bom saber que eu tenho um grande amigo


Cap comentari: